Publicado em: 26 de junho de 2020

Assassinato do publicitário Diogo Costa, terá reconstituição para apurar dados colhidos

A Polícia Civil anunciou que fará nesta segunda-feira (29) uma reconstituição do assassinato do publicitário Diogo Costa, ocorrido no dia 16 de junho na região da Lagoa da Jansen, em São Luís.

O objetivo é entender melhor a dinâmica do crime com base nas imagens de videomonitoramento, depoimento de testemunhas e também a confissão de Raimundo Cláudio Diniz, de 43 anos, que foi preso nesta sexta (26) após se entregar na delegacia.

O delegado George Marques, da Superintendência de Homicídios, deu mais detalhes sobre as investigações que levaram até Raimundo e o carro usado no crime.

“No dia 13 de junho, por volta das 15h40, um motorista de aplicativo teve seu veículo roubado. Tivemos informações de que o carro estava em Santa Helena e recuperamos o veículo. A pessoa que estava com o veículo disse que teria recebido o carro como garantia para a compra de outro veículo e disse quem tinha levado para ele”, disse o delegado.

Após saber quem tinha levado o veículo para Santa Helena, a polícia descobriu Raimundo Cláudio no bairro São Raimundo, em São Luís. Foi então que ele entendeu que acabaria preso e preferiu se entregar com um advogado. Raimundo confessou o roubo do veículo e disse que foi ele quem efetuou o disparo contra Diogo.

“Ele [Raimundo] alega que estava passando com o carro, quando a vítima [Diogo] estava saindo de uma garagem de forma brusca, segundo Raimundo. Ele teria feito um desvio para não colidir com o veículo. Depois, ele alega que continuou seguindo para onde ele ia, junto com dois comparsas no veículo. No momento em que ele parou para dobrar na avenida da Lagoa da Jansen, a vítima teria emparelhado o veículo e trancado. Nesse momento, o Raimundo diz que o Diogo teria descido, gesticulado e falado palavras de baixo calão. Depois, o Raimundo diz que baixou o vidro do veículo, recebeu um tapa no peito, e aí pegou a arma de fogo de um comparsa e disparou contra Diogo”, declarou o delegado George Marques.

Em depoimento, Raimundo Cláudio também confessou que a arma usada no crime e o veículo haviam sido roubados três dias antes do crime em uma área nobre da capital maranhense. Após o roubo, a placa do crime foi adulterada, como foi indicado pela perícia realizada pelo Instituto de Criminalística (ICRIM).

Segundo a polícia, o veículo seria usado para cometer assaltos em São Luís. Com a ajuda das informações dadas por Raimundo Cláudio durante o depoimento, o carro foi recuperado e está a caminho da capital maranhense.

O advogado de defesa do suspeito explicou que Raimundo procurou por ajuda jurídica na quinta-feira (25) e avisou que iria se entregar à polícia, pois acreditava que o ‘cerco já estava se fechando contra ele’. Desde o dia do crime, que aconteceu há dez dias, ele estava escondido na casa de uma irmã. Após uma triagem inicial realizada, ficou constatado que ele não possui antecedentes criminais.

Fonte: G1

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *